Filho do cabeleireiro Wanderley Nunes cria startup de xampu ‘personalizado’

Toda pessoa tem “um quê” próprio, um charme especial. É nisso que a acredita a startup brasileira Meu Q, que lançou em novembro um serviço digital que oferece uma venda personalizada de produtos para cabelo.

No site da startup, o cliente preenche um formulário descrevendo seu tipo de cabelo e suas preferências. A partir das informações, a plataforma de inteligência artificial da empresa escolhe a receita correta do produto.

Quem está por trás da criação da Meu Q é Pedro Nunes, filho de Wanderley Nunes – o “cabeleireiro de celebridades” que comanda o famoso Studio W. “Sempre acompanhei de perto esse mercado, porque praticamente nasci dentro do salão”, conta o cofundador da startup.

“Como meu pai trabalhava muito de final de semana, eu e minha irmã passávamos muito tempo lá quando crianças”, diz.

Voltar-se às madeixas alheias, porém, não foi sua primeira opção. Antes da Meu Q, ele foi piloto de corridas profissionais e chegou a apostar em dois negócios digitais: uma startup de educação e um “Uber de manicures”.

Com a Meu Q, que tem ainda Lucas Barchetta e Dimitri Ribeiro como sócios, Nunes pretende resolver um problema do mercado capilar.

“Hoje, quando você vai comprar um xampu ou condicionador, os produtos são colocados em categorias específicas, mas cada pessoa tem preferências e necessidades diferentes.”

Por enquanto, a startup oferece a venda de três produtos avulsos por meio de seu site. Um frasco com 250 ml de xampu sai por R$ 72, enquanto a mesma quantidade de condicionador é vendida a R$ 86.

Há ainda o leave-in, uma espécie de creme que pode ser usado sem enxágue, por R$ 45. Os consumidores podem ainda optar por planos de assinatura mensal, em kits com xampu e condicionador (R$ 144) ou a linha completa (R$ 179).

– Fórmula tem mais de 35 ingredientes à disposição –

img_4095

Linha de shampoo personalizado Meu Q (Foto/ Ilustração)

Segundo Nunes, mais de 35 ingredientes são utilizados pela startup para chegar à receita ideal para cada usuário – entre eles, óleo de coco, extrato de oliva e proteína de arroz.

A proporção de cada um deles nas fórmulas é determinada por um algoritmo, desenvolvido durante dois anos. Já a fabricação dos produtos é feita por uma parceira terceirizada.

Com apenas 10 funcionários, a startup foca no público feminino, mas pretende expandir sua oferta para homens num segundo momento.

Além das pesquisas próprias, a startup conta ainda com o salão de Wanderley Nunes como laboratório. “Meu pai sempre me apoiou durante a construção da Meu Q”, afirma Pedro.

“O salão serviu para nos dizer muito bem o que os clientes buscam”. Apesar de ser um negócio online, a presença física também faz parte da estratégia da empresa, que estuda abrir pontos de venda no futuro.

“É importante que os clientes entrem em contato com o produto e sintam as fragrâncias”, afirma o fundador da Meu Q.

No ano que vem, a startup também deve aumentar seu portfólio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.